terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Nossa memória nos suprime...


Nossa memória, longe de nos revelar, anula nosso verdadeiro “eu”, suprime nosso Ser...

Quando me pego pensando na capacidade que temos para guardar as coisas, acontecimentos, imagens, ideias..., penso que há um outro lado que não consideramos...

Nossa caixinha de recorrência!

É pelo fato de possuí-la que vamos “guardando” o que nos chega, o que percebemos, o que passamos a pensar, o que vivemos ou vivenciamos... Quando é necessário, quando algo, alguém ou alguma situação exige, trazemos à tona o que estava guardado. Muitas vezes, sem muito esforça, outras vezes com algum esforço..., o certo é que recorremos a nossa “caixinha” e tiramos de lá o que temos ou precisamos tirar, para conferir a algo, alguma situação ou ideia, um significado.
Estou a falar de nossa memória. É ela a nossa caixinha de recorrência! É por conta dela que construímos, reconstruímos e damos significado a nossas vivências, do passado e no presente. É por conta dela que esboçamos nosso conhecimento, que constituímos nosso entendimento, que nos tornamos seres históricos, etc.
Todas as outras capacidades que temos são servidas pela memória e recorre a ela para se nutrir (pensamento, raciocínio, reflexão, imaginação...). Por causa dela inventamos, projetamos, criamos, sonhamos... Por esse motivo, até ganhamos distância dos demais seres...

Maravilhoso pensar nisso tudo! Maravilhoso pensar que temos esta capacidade!
[Bom, tem gente que nem pensa!]

Mas não é isso que importa aqui. Quando falei no início que me pego pensando neste assunto, é porque me deparo muitas vezes com algo que me intriga e faz refletir.

Não é curioso o fato de que nossa memória, ao tempo que guarda todas as percepções e impressões que temos durante nossa existência/vida pregressa, ao tempo em que se agiganta e nos serve de forma incomensurável, encobre, oculta e minimiza o que verdadeiramente nos constitui: nosso Ser, nosso Espírito?
Não é igualmente curioso o fato desta evidenciar especialmente nosso lado material (incluindo aí todos os aspectos da materialidade).?

Mas nós não nos constituímos exclusivamente pelas percepções e impressões advindas deste mundo (palpável, material). Antes de sermos seres materiais, somos seres espirituais e continuaremos a sê-lo, quando daqui partir...!
Se pensarmos bem, podemos nos dar conta de que nossas lembranças, aprendizados, pensamentos, ideias, etc. (que nos advém pela recorrência à memória) suprimem nossa condição de ser espiritual e evidenciam nossa condição de ser material...Daí o fato de nos voltarmos mais para este lado.

Acontece, porém, que lado material cessa quando daqui partimos. E o que fica em seu lugar? Para onde vão as vivências todas e tudo aquilo que a memória guardou? Vira pó?

Convém pensar nisto com cuidado...!


Convém pensar com muito cuidado!!

[Usee]

Direito reservado




Nenhum comentário:

Postar um comentário