sábado, 9 de junho de 2012

“a quem ou a/ao que” escutamos?


Sabemos escutar?
Escutamos a quem ou a/ao quê?


                                                                  Foto Aleh

Escutamos ou somos levados a escutar, o tempo inteiro: por “necessidade”, por curiosidade, quando nos solicitam, naturalmente...

Algumas vezes paramos e escutamos, muitas outras “fazemos de conta”, outras ignoramos... FALO DE TODA MANEIRA DE “ESCUTAR” (Amor, solidariedade, um abraço, um olhar, um gesto de carinho..., além de "ouvir", também pode ser e é uma “forma de escutar”).

Em geral, não somos nem um pouco "deferentes" para com tudo que nos cerca, para com os outros humanos; a Criação, o Todo....

Centramo-nos em nossos próprios interesses, questões... 
Não somos escutadores, não temos tempo de/para sê-lo...

[Se existisse a “arte da ‘escutatória’" (esta palavra não existe, escutei certa feita), e se fôssemos artistas, de certo não sairíamos dos rabiscos, dos projetos, dos borrões, do rascunho...]

É... É bem assim! Mas obviamente que haverá desacordo quanto a estas minhas afirmações. Devo falar por mim apenas? Devia. Mas INSISTO na "pessoa" do verbo!

E vou insistir ainda mais na segunda questão:
“a quem ou a/ao que” escutamos?

Passamos a vida inteira escutando (dando ouvidos) e nos deixando conduzir por pessoas (ditas autoridades) e pelas “verdades” que estas “ensinam”, propagam, introjetam, reforçam... (afinal são autoridades, superiores, moral, religiosa/espiritual, política, familiar...!)...


... E assim vamos, vida a fora, cultivando e reproduzindo verdades e certezas que não são nossas, não originadas do nosso Ser, da verdadeira aprendizagem; da consciência, do entendimento, que não resultaram da “escutatória”, da disposição para observar/perceber, silenciar e escutar o que os outros, a Criação, o Universo, nosso Ser tem para nos revelar e revela.

...

Tenho tido momentos de escutatória, momentos em que escuto meu Ser (como fiz nesta manhã). Nestes momentos, “dou-me conta” de verdades, dou-me conta de que ali se efetuou um aprendizado e que por este aprendizado devo atuar, pelo entendimento, em consciência...

Mas é uma batalha que travo a todo instante com forças, com energias que me tentam dissuadir...

Admito que fraquejo muito, que muitas e muitas vezes entro nesta sintonia (de várias maneiras, a começar por atitudes, ações, pensamentos que considero inofensivos)... Cada vez que isso acontece, em seguida, “meneio a cabeça”, procuro me centrar, ficar em silêncio, aquietar-me...

Então, procuro escutar meu Ser e atuar com consciência..., em relação aos outros meus iguais (em existência encarnada), a toda Criação, ao Todo.

 Dou-me conta de que isto é possível e necessário ser feito. Só preciso me determinar!

É assim que posso/devo expandir minha consciência e atuação, como uma onda... E como uma onda alargá-las..., no sentido da Unificação, de mim (meu ego) em relação ao meu Ser, do meu Ser em relação ao Todo.

Assim, escuto-me em meu Ser e meu Ser em mim, e me abro para escutar e atuar...

Usee

--> Indico um vídeo que ilustra um pouco "parte" do que acabo de dizer...


http://youtu.be/zFWr-CKMWGY

Nenhum comentário:

Postar um comentário