quinta-feira, 21 de junho de 2012

VAIDADE


Google Imagem


Não é a mentira, a falta da verdade, a falta de transparência, o apego ou o sentimentalismo o maior escudo do ego; sua maior “escora”, mas a “vaidade”.

[Não estou a falar da vaidade corriqueira, que homens e mulheres cultivam em relação à aparência – esta nós as admitimos].

Esta fiel companheira do ego é, na verdade, seu fôlego mais vital, seu lado mais sisudo, sua fissura mais aberta, a esfera mais velada de sua intimidade (por isso inadmitida)...

É ela (“vaidade”) que forja e determina atitudes, gestos, intenções..., e nos leva a provocar e sustentar situações... É de sua natureza dissimular, enredar, atrair... e daí mentimos, faltamos com a verdade, e transparência, iludimos. É em função dela que subestimamos, desrespeitamos,violentamos os outros e a nós mesmos.

A vaidade é silenciosa, inadmitida... Mas esta, como aquela corriqueira, se mostra nos pequenos gestos, nas pequenas atitudes, nas intenções mais sérias ou inocentes...

Sim! É por aí...!

ENTÃO...

Quem, na sinceridade de seu Ser, consegue atentar-se para a este escudo do ego, deve procurar olhar-se, corrigir-se, rever-se, ali, onde mais se distancia de si e onde mais alimenta o distanciamento em relação aos outros, ao Todo...


Usee


Nenhum comentário:

Postar um comentário