terça-feira, 6 de novembro de 2012

Exame interior



Quando, pela atenção interior, me proponho e me submeto a um exame (também) interior, e quando este não é/for dirigido pela conveniência do ego (Sim! O ego também se propõe a exames...), tenho a possibilidade e oportunidade de detectar e/ou ver com clareza, o que me desequilibra ou distraí, prende e/ou desvia do caminho do Ser, o que impede meu silêncio interior e minha atividade espiritual...

Pelo exame interior (que não é o tão propagado exame de consciência!), posso reconciliar-me a meu Ser e a Unidade, posso mover-me no mundo, ciente e consciente do que me cabe e do que me é devido, sem me deixar afetar (ou libertar-me aos poucos do que me afeta).

[o que chamo de “exame interior” é a avaliação e reflexão que faço dos meus sentimentos, pensamentos, juízos, no sentindo de “saber” sua origem, a fim de repará-los OU preservá-los e cultivá-los ]

O exame interior se desdobra e exige a atenção ao externo (vigilância). Através desta atitude passo a identificar e reconhecer o que contradiz meu estado interior, quando/se sereno/tranquilo: o barulho, as seduções, ilusões e más vibrações, que passo a evitar.

Usee

Nenhum comentário:

Postar um comentário