sexta-feira, 25 de abril de 2014

O Sentir do Coração e a Meditação


A vivência da espiritualidade é o evento mais fundamental de nossa existência encarnada. É por ela que nos ligamos a fonte e ao Todo, dando significado e sentido a nossa passagem por este mundo. É pelo sentir e pela meditação, num ato de entrega e doação, que a experimentamos mais intimamente.  [Usee]

                                                               Postagem original em 10/11/12
Foto: Aleh

A parte de nós que nos faz cientes do Projeto Divino – “Projeto” que a Criação comunica – é o “Coração”.

É por ele que o sentimento da Unidade se forma em nós, como sentimento interior de pertencimento e união, revelando, em consciência, o que nos faz partícipes da engrenagem da Vida e da Existência aqui na Terra.

Esta é uma condição que nos cabe como filhos da Criação e por sermos, em princípio, Espírito – fonte Originária da existência encarnada; Verdade/Essência revelada pelo Ser.

A meditação nos pode revelar esta condição, uma vez que, por seu intermédio, podemos escutar o que revela nosso Ser; no “sentir” do Coração...

Quando permitimos que flua em nós o “sentir do Coração”, quando pela escolha e pelo trabalho interior criamos a ocasião para que isto aconteça, temos a capacidade de nos separar do que o externo produz e de sua influência sobre nós – seduções, desequilíbrios, deduções...

– Tudo isso é ascético de mais, transcendente de mais! – Haverão de pensar... Sim, é!

Mas este é um estado interior possível e necessário na entrega ao Caminho, se (e quando) nos propomos viver a espiritualidade, na (a) Verdade, na (segundo a) Unidade...

Foto: Usee

Alcança-o quem, pela Meditação, silencia-se, aquieta-se, desliga-se do barulho e das “preocupações” que o externo produz e "das perguntas que fluem do controle disfarçado, enrustido na mente".

Para isso, há que se desligar também da atitude de “reflexão”, já que esta (apesar de ser entendida como meditação) foge ao seu real sentido, uma vez que produz o movimento interior de pensar e repensar, avaliar, criticar, emitir juízos; "exprimindo os desejos dentro dos conceitos do mundo e do que se 'quer'” – do querer de cada um – (sobre coisas, pessoas, situações, acontecimentos...).

Meditar é aquietar-se, silenciar-se, desligar-se, verdadeira e radicalmente do externo, pela entrega interior; “largando-se ao já apontado, ao que a Voz Interior e o Universo já indicaram”, e pela “concentração mental” no Espírito.

"Concentrar mentalmente" é libertar a mente do hábito do pensar “por si” e fazê-la escutar o Coração, sintonizando-se com ele, deixando-se mover pelo sentimento de “elevação” interior...

Foto: Usee

Neste estado de “meditação” a consciência ascende e transcende; elevando-nos, pelo Espírito (espiritualmente)... Nosso Ser se realiza nesta entrega.


Usee


Nenhum comentário:

Postar um comentário