segunda-feira, 4 de março de 2013

Inconsciência e Cosciência






Sou consciente ou vivo a ilusão de sê-lo?
  
O que verdadeiramente faz de mim (de cada um de nós) uma pessoa consciente?
  
Convém refletir...


Quando percebo uma coisa, algo ou alguma situação, compreendendo-as simplesmente, assumindo uma postura ou tomando uma atitude diante destas, “digo” que estou/sou “consciente”.

Dentro da formatação do mundo; aquela que me moldou e acomodou aos conceitos, “estar/ser consciente” de algo ou de alguma coisa, tanto “atesta” minha condição mental como me coloca numa condição privilegiada diante dos outros; daqueles que “afirmo” (e que a sociedade afirma) não ter consciência.


Mas cá, do meu pedestal de pessoa consciente, nunca “me” pergunto o que é e (a)onde me leva esta tão famigerada e requerida consciência.

Quando o faço é para contentar meu ego, para “certificar” se estou naquele patamar/nível exigido (social e psicologicamente) ou para “justificar” aos outros minhas atitudes, ações, decisões, posturas, etc.

E isto se exacerba quando adiro ou sigo a alguma “orientação espiritual”, religião, seita, grupo, etc. Aí, não só afirmo ser “consciente” como também me vejo melhor, mais esclarecida que os outros...

...É assim que me reconheço... E ai de quem me diz o contrário!

Nem desconfio que este, longe de ser um estado de consciência, é, ao contrário, um estado de inconsciência ou uma consciência “forjada” em mim pelo externo, diante do qual (apenas) me pronuncio, sem, contudo, “estar ciente” da verdadeira consciência, sem ter o entendimento do que cabe a meu Ser nesta existência atual, de como devo me portar...


Assim vou procedendo e  negando minha essência/Ser em sua realização, no cumprimento do que lhe foi conferido pela Criação e que deve ser o meu propósito de pessoa consciente...

Pela negação do meu Ser, nego também todos os outros (e vice versa) na realização do que lhes cabe, pois deixo de reconhecê-los...



A consciência de cada pessoa, quando consciente de que o é, reconhece-se e lança luz à postura ou atitude que esta assume e que a faz atuar nos vários momentos de sua vida, nas várias situações, com simplicidade e sabedoria, com sentimento e entendimento, com sensatez, coerência e desprendimento..., sem espera e/ou presunção.

Esta consciência entrega-se ao trabalho de reflexão e revisão constante. Refletindo e revendo-se busca purificar-se, e o faz a fim de aceitar seu destino e trilhar o “caminho do Ser”.

Fora deste trabalho e caminho o que há é a ilusão que se é consciente, ou seja, a inconsciência da verdadeira consciência...

Usee

Nenhum comentário:

Postar um comentário