terça-feira, 30 de abril de 2013

O TEMPO e as SUAS e NOSSAS AÇÕES - Série: Momento Atual e Único (minha visão) - ArqueiroHur


Postagem original, em 13.08.2011


O TEMPO e as SUAS e NOSSAS AÇÕES 
Série: Momento Atual e Único (minha visão)


Esta foto caseira (clique para ampliar) registra os últimos momentos desta Ameixeira em sua floração. Durante a noite, por ela estar enraizada, ficou a mercê e sujeita as “ações” de um temporal... Não havendo pela manhã, uma pétala sequer de sua bela floração, que não estivesse caída, espalhada pelo chão.

Assim é conosco, quando ficamos presos ao que nos envolve, deixamos para o amanhã e perdemos o momento da ação, do agora.
Consideramo-nos o “Senhor do Tempo” e não vivemos este Momento Atual e Único, de movimento e atuação da LUZ.

A ameixeira por ser enraizada, estática, terá de aguardar o novo ano e a entrada da estação, para florir e assim tentar frutificar e se reproduzir.

Nós, ao nos mantermos estáticos neste Momento Atual, também iremos “aguardar a nova morada”, onde iremos repetir todo o ciclo de crescimento, na busca de que a nossa florada possa frutificar e cumprir a razão da existência, que é EVOLUIR, SER a LUZ.  

Entretanto, aquele que se lança e atua (como a minha querida amiga), rompe com a “relação” do improvável amanhã e realiza o seu propósito (que neste caso, foi presentear-me com o envio das fotos). Não tendo assim do que “se lamentar”, ao contrário, permite-se que a ALEGRIA da LUZ se instaure. Aprende com o momento e cresce.




É claro que há e haverá outras “visões” e pontos de vista. 
Assim o Universo age! 
Permitindo-nos a escolha, nos dando opções de “ver” com os nossos olhos, ou com “olhos” que quisermos. 
Mas sempre, nos revelando a VERDADE, em cada situação e momento.

 ArqueiroHur

http://arqueirohur.blogspot.com.br/search?updated-max=2012-05-04T00:07:00-03:00&max-results=4

Pensamento 01

















Quem desperta interiormente procura romper com o mundo das sombras, das ilusões e seduções, com o mundo do interesse e do querer "ter". 

Procura abrir-se, mente e coração, se entrega a Vontade Divina e ao Universo Evolutivo. Experimenta grandes mudanças em seu interior...

Entrega-se ao contínuo trabalho sobre si, aprende como se colocar e atuar diante das situações, sente os efeitos dessa entrega e mudança, nas atitudes, nas ações, nos sentimentos e pensamentos, na relação com as coisas, com os outros e consigo mesmo.

Usee


Cuidado interior...



Postagem original em 02/09/2012


Ocupamo-nos cotidianamente com tantas coisas, com tantos afazeres, e esquecemos do nosso interior, que permanece em si, sempre aberto, sempre esperando por aquilo que lhe cabe: a ligação à Unidade, ao Universo Evolutivo e a Vontade Divina, pela consciência, pelo entendimento, pela determinação ao caminho que nos cabe trilhar...

Além da preocupação com o "ter", "poder" ou "ser" alguma coisa, há quem tem imensa preocupação com a aparência, com o modo de se apresentar. Cuida “apenas” do externo, dá-lhe demasiada atenção.

Muitos jamais se dispõem a olhar-se a e olhar os outros por dentro, a procurar-se e procurar os outros por dentro, a encontrar-se e aos outros por dentro, no “reconhecimento” do que se é em essência.

Resultado: o olhar superficial e limitado que temos sobre nós e sobre os outros, a atenção ao que é passageiro, além de distanciar-nos de nós mesmos – do nosso SER – distancia-nos de TODO SER.

O olhar superficial e limitado ver apenas a "aparência", não se ver, nada ver em profundidade! Podemos até admirar-nos da aparência, sermos tocados e seduzidos por ela, mas estas são seduções efêmeras, produzem apenas sentimentos vãos...

Cuidar-se interiormente é condição para o encontro consigo e com os outros (Todo Ser Criado). Quem se ocupa de seu interior não tem tempo para os detalhes, ressentimentos, mágoas, não se alheia em relação ao essencial.



Quem “aprende” a olhar-se e a cuidar de seu interior sabe-se bem, e sabe que esta atitude produz uma grande mudança, altera o olhar, faz sentir profundo, faz-se estar atento, na observância e revisão contínua...

Quem se ocupa de seu interior acolhe a consciência como atitude primordial, o entendimento como meio e o encontro consigo como condição de “reparo” e revisão – condição para viver segundo o Ser, para viver sua espiritualidade em consonância com o Plano Divino.

 Usee


domingo, 28 de abril de 2013

A precipitação II – o pensar, os meios, o SENTIR e o Propósito - ArqueiroHur



postagem original, em 15.04.2012


A precipitação II – o pensar, os meios, o SENTIR e o Propósito


A precipitação é o agir pelos conceitos, pela vontade querer e desejos.
Pelo prazer e conveniência.
Sem consciência, pelo interesse.

O que nos leva a precipitação?

Precipitamo-nos por colocarmos o pensar e as emoções antes do SENTIR. Por vermos os meios como tendo mais valia do que o propósito.

Fomos levados pela formatação a “ver” o pensar e os meios, as emoções e sensações como sendo o fundamental. Assim, passa a ser “mais importante”: como eu chego em determinado lugar (se a pé, de ônibus, de carro e com “qual”, com o traje, enfim...), por qual meio; do que o que eu lá irei realizar.  

Ficamos mais preocupados em como nos apresentar, no que os outros vão achar e dizer, no conforto, nos atrativos, enfim...

O caminho do SER, a oferta do Universo nos remete ao novo olhar, que na verdade é uma volta, onde o propósito é a meta, o foco. A prioridade é o propósito do TODO.




Então, antes de me preocupar em “como”, com qual e por qual meio, foco-me, estudo e SINTO o que lá tenho e ou vou realizar. E dentro desta percepção defino se irei ou não, fazendo minha “escolha” pelo propósito, não pelo meio ou prazer.

Mudando o “questionamento”, dando prioridade ao propósito, estou permitindo e dando “voz” ao meu SENTIR/Coração.

VEJO ALÉM
DO QUE MEUS OLHOS VISLUMBRAM.
PRATICO O AUTO-DOMÍNIO,
DESCARTANDO TUDO
QUE TENTAR CORROMPER
MINHA MORAL E CONDUTA.

Simplesmente atuo com consciência. Não atuo pelo interesse, pelo prazer, pelos “encantos” e atrativos.

A DESINTEGRAÇÃO DAQUILO
QUE SEUS OLHOS PODEM VER
E SUAS MÃOS TOCAM
É CERTO E DEFINITIVO.
PORTANTO, NÃO AS FAÇAM
DE "ESCORAS" ILUSÓRIAS.

O “momento”, tão valioso para o mundo da matéria, 
deixa de exercer seu domínio, seu fascínio.


Passo a
RESPEITAR 
A INTEGRIDADE DO MEU "SER".
Agindo em equilíbrio e consonância com o TODO,
sem a precipitação dos desejos e querer.

ArqueiroHur

http://arqueirohur.blogspot.com.br/



Entendimento e Mudança






Quando há certeza e entendimento do verdadeiro propósito, há verdadeira entrega. Tudo fica muito claro. Então a escolha se dá, com sabedoria e firmeza. Passa a existir disposição, esforço e determinação para sua consecução.

Reconhece-se a direção do Caminho e sua retidão. Sente-se que passos e mudanças são necessários...

Por dentro, as coisas vão se assentando; se harmonizando. Por fora reflete-se esta harmonia... A consciência vai se acentuando; iluminando, o perdão sendo exercido, a revisão se processando, as atitudes se modificando, o coração guiando...

Usee


Alimentos Físicos e Espirituais






Tudo que há sobre o mundo, facultado pela Providência Divina através da Criação, existe para nos alimentar, física e/ou espiritualmente.

Alimentos físicos e espirituais nós mantém de pé, igualmente...




A nós, cabe servir-nos deles com responsabilidade e respeito, agradecer pela oportunidade de tê-los nos alimentando e reconhecê-los, como fonte da energia fundamental para o nosso existir.





Deve constituir um ato de oração e harmonia a nossa relação com as coisas, seja através da ingestão dos alimentos físicos, seja através da observação, percepção, contemplação e absorção do alimento espiritual; que vem de fora (do que contemplamos nas coisas) e que vem de dentro (de nosso interior, quando sereno e harmonizado).

Usee



Escolha, consciência e trabalho...

                       

                                                  Postagem original em 12/01/2013


Já foi dito de várias maneiras e muitas vezes:

a escolha é de cada um...”, a consciência é de cada um...”,  “o trabalho é de cada um...”...

Mas, sempre cabe ser dito e lembrado:

Cada um é responsável pelo que faz, pelo que pensa, pelo que sente, pelas atitudes/ações ou inércia. Nisto consiste a escolha!

Tudo que fizermos, tenha a natureza que tiver, é de nossa responsabilidade, recai sobre nós próprios e sobre os outros, produzindo seus efeitos... Neste 'entendimento' consiste a consciência!

Então, é preciso olhar-nos sempre por dentro, a fim de mudar o que é preciso mudar... Nisto consiste o trabalho!

Usee



sábado, 27 de abril de 2013

Por que caímos?



Somos, o tempo inteiro, experimentados, provados, julgados, avaliados...Então, muitas vezes nos abatemos, sucumbimos, caímos...

E por que caímos?
São vários os motivos de nossas quedas, cada um deve reconhecer os seus, buscar sua origem e compreender porque se deu, rever-se, guardar como aprendizado, para não voltar a cair...

Quem confia na Luz, na Verdade e na Providência Divina, não se deixa abalar, confundir, cair.

Deixa a Luz atuar, se permite guiar e amparar, na Verdade e pela Providência Divina. Sente e se entrega a este Amparo, diuturnamente.

Desenvolve a prudência, aprende a observar e observa-se, silencia, age com sabedoria, serenidade, simplicidade e respeito, e se põe em harmonia...

Usee


"Paciência"





Meu filho, se entrares para o serviço de Deus,
permanece firme na justiça e no temor,
e prepara tua alma para a provação;
humilha teu coração e espera com paciência,
dá ouvidos e acolhe as palavras de sabedoria;
não te perturbes no tempo da infelicidade,
sofre as demoras de Deus;
dedica-te a Deus, espera com paciência.
[...] Aceita tudo que te acontecer.
Na dor permanece firme;
Na humilhação, tem paciência.
Pois é pelo fogo que se experimenta o ouro e a prata.
[...] Põe tua confiança em Deus e Ele te amparará;
orienta bem o teu caminho e espera Nele...

Eclesiástico 2;1-6

quarta-feira, 24 de abril de 2013

"Reconciliação" - Omraam Mikhaël Aïvanhov




É o perdão que me nos faz livres, libertos para amar e viver segundo o amor: o amor a Deus "sobre todas as coisas", ao próximo (toda Criação) e a nós mesmos.
Usee

"É importante que, no momento de deixar a terra, cada um se sinta em harmonia com todas as criaturas.

Se há algumas com as quais ainda está em conflito, ele não deve deixar que essa situação continue, mas sim reconciliar-se também com elas. Senão, isso será inscrito nele como uma dívida a pagar.

Vós direis: «Mas há pessoas que nós nunca mais poderemos voltar a ver e outras que nunca aceitarão fazer a paz.»

Sim, é verdade, mas, pelo pensamento, podeis procurar essas pessoas e, no vosso coração, na vossa alma, reconciliar-vos com elas.

Mesmo que, perto da morte, já não sejais capazes de fazer o que quer que seja, ainda tendes a possibilidade de alimentar sentimentos de amor, de benquerença para com toda a criação e os seres que vos rodeiam.

Ficai a saber que quem ama domina a morte."

Omraam Mikhaël Aïvanhov


Pedir perdão e perdoar...





O perdão, tal como a água que lava o corpo físico, lava a alma da impureza que nela foi acumulada e que a desequilibra e macula.

Pedir perdão e perdoar são ações purificadoras que devemos nos esforçar por praticar em/com consciência. Portanto, sem condição prévia ou interesse do que se vai “ganhar”.

Porém, é no coração que o verdadeiro perdão se assenta e deve se assentar, para então ser externado e exercido. Só assim pode resultar num processo de limpeza e purificação, necessário à serenidade e paz interior.

Usee


segunda-feira, 22 de abril de 2013

Fazer escolhas, reconhecer e aprender com os equívocos...



Que façamos nossas escolhas!

Aonde ir, onde ficar ou não ir e não ficar, o que fazer, como fazer ou não fazer, etc.

Todos os dias, enquanto existirmos, nos são e serão dadas situações e possibilidades, de toda natureza, a partir das quais somos levados a escolher.

E devemos fazê-lo!...

Mas, que tenhamos discernimento e clareza entre o que nos cabe e é devido escolher...! Ou, que reconheçamos os equívocos pelas escolhas que fizemos, quando eles se evidenciarem.

Reconhecer um equivoco não deve significar lamentar, revoltar, injuriar-se, arrepender-se, deve significar aprendizado...

É preciso aprender com os resultados de nossas escolhas e tomar este aprendizado como norte para futuras escolhas, a fim de agir com consciência a partir daí, sem rejeições, sem fugas, sem culpas, mas praticando a revisão e o perdão, pelo que estas produziram.

E que seja a Luz e o Coração a nos guiar!

Usee

O Trabalho do Universo sobre si


Republicado em 28/08/2012
                            Postagem original http://arqueirohur.blogspot.com.br/, em 06.01.2012



De onde vem nosso sentimento de culpa (diante de algo ou de alguém), nossas agonias, nossos medos? Vem nós mesmos, óbvio!

Ninguém passa por esta vida sem ter, em algum momento, cometido erros, faltado com a verdade, causado danos ou prejuízos a si e aos outros.

Afinal, quem, além de nós, toma decisões, escolhe e age por nós? Ninguém!

Então, são as decisões equivocadas que tomamos, as escolhas mal feitas que fazemos, as más ações que praticamos que incidem sobre nós em forma de culpa, agonia e medo. É a nossa consciência nos acusando do “passo em falso” que foi dado. Nossa consciência nunca pesa ou nos acusa à toa. Nunca!

Nossas culpas, agonias e medos são sintomáticos sempre! Dão-se pelo fato de admitirmos que “pisamos na bola”, que o “leite foi derramado” e que, por causa disso, “arranhamos nossa imagem” (diante dos outros), maculamos nossa alma, violentamos nosso Ser.

Remorso? Culpa? É, passamos a carregar este “peso” quando não somos capazes de refletir sobre nossos atos.

Isto acontece não só pelo que causamos a nós mesmos, como também pelo que causamos aos outros (aqui, quando falo “outros”, me refiro a tudo que existe fora de nós, e não apenas pessoas).

Esquecemo-nos (ou nem temos consciência) que nosso “Ser” sente e sofre as consequências, quando nos perdemos de nós mesmos por causa de nossos atos e erros (o que aqui chamo de “erro” diz respeito a passar por cima de valores e princípios; a não considerá-los e tomá-los como móvel das nossas ações).

Por isso, é dramático quando nos encontramos diante de nós mesmos; diante de nossa consciência [claro que nem todos o conseguem, e claro que muitos fogem (desse encontro!)]. É dramático, mas necessário!




Penso que é necessário também estar diante do olhar do outro (de outra pessoa) sobre nós, nos dizendo às verdades que não soubemos escutar de nós mesmos, nos fazendo enxergar o que não soubemos ver por nós mesmos (nos fazendo ver o melhor, ou o pior, das nossas ações ou da falta destas).

Tudo isso deve se sobrepor a nós e nos fazer ver que não há mais espaço em nossas vidas para repeti-los. Saber disso pesa, mas nos faz acordar para nos rever, ali, onde fomos fracos, omissos, egoístas, hipócritas.

Tribunais à parte (da nossa consciência e do olhar do outro), o que importa no fim das contas é reconhecer que falhamos, é tomar um caminho diferente, o caminho da verdade que está dentro de nós..., o caminho que nosso entendimento apresenta e que nossa consciência indica como suporte/base para nossas escolhas e ações.

Usee
                                                                      



                  
                    Rever-se é a condição necessária!
                    O trabalho há de ser realizado,
                    guiado pela LUZ, pela Evolução!...

Não somente ou voltado para si consigo mesmo, para “o seu interesse de querer ser”. Mas tendo por objetivo o si no Todo, sendo Uno a Ele!

Este é o caminho!

Permitir-se sair do individualismo e sentir-se como uma peça integrada ao Todo.
Transformando cada situação em LUZ, em AMOR... E propagá-lo, com a atuação em cada ato realizado, em cada movimento...

Perdoando-se para poder perdoar!

Reconhecendo a "mão do Universo" voltada sempre para o crescer/Evoluir, amparando-nos à cada instante.

Encontrando a alegria, em cada movimento e ação deste crescer, do AMOR DIVINO e assim, ESTAR e SENDO Ele.

ArqueiroHur