sábado, 7 de setembro de 2013

Pureza interior versus impureza




Somos responsáveis pelo que propagamos/transmitimos, produzimos/reproduzimos, semeamos... E o fazemos, mesmo quando nos omitimos ou silenciamos. Por isso, e pela “condição humana” que nos faz “ser” as pessoas que somos, não estamos isentos de permitir que a impureza se instale e habite em nós.

São muitas as impurezas que permitimos nos habitar (seja pelos “sentimentos”, pensamentos, seja pelas atitudes, ações, comportamentos...) e distanciar da Luz (e) do Amor: egoísmo, ambição, inveja, avareza, rancor, ciúme, desrespeito para conosco e para com os outros, injustiça, etc.

É preciso esforçar-nos para dirimir e purificar-nos de toda impureza que afeta nosso coração, inquieta a alma e impede-nos de avançar no caminho do Amor e de voltar para o Pai...

Claro está: é pela pureza que nos tornamos humildes, sinceros e íntegros, em nosso interior e aos olhos de Deus. Isto o coração sente e nos faz saber.

É por este caminho (da pureza) que abandonamos e nos afastamos de toda forma de impureza, as que alimentamos em nosso interior e as que aceitamos que atuem sobre e através de nós, nos contaminando e aos outros.

O estado de pureza interior, que cada ser traz em si (em muitos adormecido), é algo a ser exercitado e alimentado todos os dias, diuturnamente, a cada instante. Isto exige o rever e o reconhecimento das fraquezas e quedas, exige aprendizado e trabalho sobre as (nossas) inclinações, intenções, hábitos e resistências.


Usee


Nenhum comentário:

Postar um comentário