quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Percepção verdeira


Postagem original: 14.03.2013

                    É a Luz que evidencia e reflete
                    a forma, a cor, o Ser de cada coisa,
                    que existe pela Criação.

                    Nós, o percebemos ou não...

                    A percepção verdadeira,
                    Só pode vir aos olhos 
                    através da contemplação.

                    É quando nos irmanamos,
                    quando a cada Ser nos juntamos
                    pelo sentir do coração.


                    Usee


Apercepção e trabalho


Google imagem

Quem observa ao seu redor; naquilo que revela a Criação, se apercebe do Plano Divino inscrito e traduzido em cada Ser; do propósito/finalidade da existência, escolhe a consonância e busca a harmonia, num esforço para realizar tal propósito.

Ciente de sua responsabilidade e trabalho, confia. Entrega-se, atua e realiza o que sente ser preciso realizar, reconhecendo cada situação ou condição dada ao aprendizado, consonante à Vontade Divina.

Disponibiliza-se a partir do que se lhe apresenta, oportunidade que reconhece e observa. Recebe, por esta via, o apoio, o amparo e a Luz para lhe guiar.  Fortalecendo-se no caminho que escolhe, firmando-se nos passos que dá.


Usee


Fé - Omraam Mikhaël Aïvanhov




"Quando se interroga as pessoas acerca da sua fé, muitas dizem que acreditam em "alguém" ou em "alguma coisa", sem conseguir explicar exatamente de quem ou do que é que se trata.

Elas têm a intuição de ter sabido e vivido algo outrora e, por instantes, esse conhecimento, essas experiências voltam à sua consciência, como o breve cintilar de uma luz vinda do fundo dos tempos.

Elas ignoram porque é que essa impressão se impõe com uma tal evidência, mas isso permanece para elas uma realidade indubitável.

Num momento ou noutro da sua existência, todo o ser humano é atravessado pela sensação de que algo em si o liga a um mundo superior, misterioso, cuja marca continua a existir nele.

A diferença entre os seres é que alguns deixam essa sensação apagar-se sem procurarem aprofundar o que ela significa.

Para outros, pelo contrário, ela é o ponto de partida para uma busca interior que os conduzirá até à Divindade."

Omraam Mikhaël Aïvanhov





terça-feira, 29 de outubro de 2013

Entendimento... X




















Olhar e ver, ver e perceber, perceber e reconhecer...e então ser, realizando seu SER!

O que os olhos veem, distingue e reconhecer, se realiza segundo a Lei. O que o corpo sente, ocorre segundo a Lei.
Tudo que ocorre e manifesta no Universo, decorre da Lei.
Ações e reações, causa e efeito, nascer e morrer, amanhecer e entardecer..., é a realização da própria Lei...

Da Lei vêm os princípios, que todos devem perceber, reconhecer e observar, para ser, atuar e se realizar.


Usee


O conforto do Universo


 
No “conforto do Universo” o Ser realiza sua essência, unifica-se.
Postagem original: 11/03/2012
Google imagem

Cada Ser realiza sua essência e unifica-se, quando se entrega ao conforto do Universo...

Excetuando o homem ("que" e quando se  afasta de seu Ser), todos os outros seres realizam sua essência, unificam-se, cumprem a tarefa de estar aqui, de se fazer perceber, de evidenciar a Vontade Divina e demonstrar sua Natureza, realizando o que, em sua existência material, lhes cabe realizar.



(Para que servem as flores, as árvores frutíferas, os animais de todas as espécies, uma rocha, as águas, etc.?). 



Cada Ser cumpre uma tarefa enquanto estiver aqui, dá prova do que lhe cabe e insiste e fazê-lo, exceto quando impedido pelo homem ou pelo efeito de suas ações e do que estas produzem... 
 

(Quem nunca observou, uma árvore cortada, cujo “toco” ficou fincado na terra? Insiste em brotar! Se, porém, o homem a arranca e queima, ainda assim, sua cinza ou seus restos, se misturam a terra, adubando-a, para que outras sementes brotem...)
 

Apenas o homem se afasta do que lhe cabe realizar! Arroga-se a controlar, escolher e decidir o que fazer, como fazer, quando fazer... 

Para ele, o conforto está no fato de dispor de si e de tudo que existe e usar como bem entender, de se afastar de seu Ser e anulá-lo pelo que faz e pelo que deixa de fazer.

Google Imagem


Desta forma, não sabe nem experimenta o conforto do Universo, o conforto de estar, de sentir-se acompanhado, unido, realizado em sua essência de Ser. 

Este conforto, só quem se entrega, ou procura se entregar, experimenta. Só quem tem a consciência do Todo, sente, sabe e experimenta... Porém, não é fácil fazer saber aos outros (homens)... Não é fácil para nenhum Ser, fazê-lo...

E por que isto acontece? Convém pensar...

E só para servir de exemplo..:

O que acontece quando alguém se encontra diante de uma cachoeira com uma queda d’água imensa? O que acontece quando num fim de tarde nos deparamos com um pôr de Sol lindo? O que acontece quando nos deparamos com uma flor aberta no meio do mato? E quando saboreamos uma laranja doce?...


Quando “admiramos” as coisas, as achamos bonita, etc. Acaso pensamos o porque de assim sê-lo? Acaso pensamos o porque de provocarem tal efeito ou o que isto quer significar?




Evidente que não! 

Nossas limitações (de toda natureza) não nos permite. E nós, cá do nosso lado, nos achamos “os tais” e nos colocamos acima (superiores a toda criação).

Entregues ao nosso egoísmo, afastamo-nos do que verdadeiramente importa, e buscamos companhia (igualmente humana) para fugir da solidão que este vazio (este afastamento do Todo) produz...

Porém, nestas condições, a solidão que experimentamos nunca, nenhuma companhia, coisa, bem, paixão, etc., vai por fim... 

Só no conforto do Universo, conscientes de que somos parte do Todo (e sentindo-nos parte do Todo), podemos nos sentir acompanhados...!

Usee

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Restituição





Uma pessoa se faz, segundo seu ego, grande o bastante para diminuir os outros, ou pequena o bastante para engrandecer os outros...

São os interesses, a conveniência, a arrogância e o egoismo que prevalecem no primeiro caso, no segundo, prevalece o medo ou fraqueza.

Nessas situações/condições não sobra espaço para o Ser se manifestar, para a Luz e a Verdade atuarem, aclarando a consciência e produzindo o entendimento. Somente através da cura e do equilibrio isto acontece.

A cura e o equilibrio, que cada pessoa deve buscar, é também a restituição da parte de si que está envolvida nas artimanhas do ego...

Mas esta restituição demanda respeito para consigo e para com o outro, disponibilidade para fazer o caminho de volta e se encontrar, e responsabilidade ante a descoberta que faz de si. Além disso, demanda trabalho e vigilância diante de suas escolhas e atitudes.

Usee

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Entendimento... IX



















Cada um pode/deve viver interiormente,
segundo o entendimento e consciência;
no que estes tem a revelar e orientar.
E assim os ter como guia e conselheiros,
do caminho a seguir, dos passos a dar...


Usee


Turbilhão e libertação...


Google Imagem

O turbilhão em que vivemos nos desequilibra por dentro e por fora. E vivemos sim, um turbilhão! Através dele nos sentimos alheios, angustiados, apartados/individualizados, perdidos, negados, violentados, etc.

Trata de um "sentimento" que, pelo não reconhecimento de quem somos e do que nos cabe,  de fato nos coloca  nestas condições.

Percebamos! Tudo isso é sinal e consequência de nossas escolhas e consentimentos.... Devemos reconhecer  o seu manifestar (em nós) a fim de lançar sobre ele nosso olhar e aprender a nos responsabilizar, pelo que é preciso fazer e devido realizar...

Se nos chama o coração ( e ele chama!), a seu chamado devemos atender. Cabe-nos silenciar e escutar sua voz, no que ela revela e diz: que somos, na ordem da Criação, o reflexo do Amor, igualmente presente em todo Universo e colocado acima de qualquer turbilhão, de qualquer desequilíbrio, de qualquer inquietação, separação, violência, desamor, destruição...

Somos naquele se mantém a espera...: o sinal da Presença Divina, do Divino Amor, revelado no amparo que a todos abraça e  cuida, enquanto espera. Quem disso ousa duvidar nega-se, e nega a Providência e a Vontade Divina!

Precisamos nos reconhecer e nos colocar sob esse amparo. E podemos fazê-lo mediante a libertação de tudo que nos amarra, prende, reduz, anula, violenta..., podemos fazê-lo mediante o Amor e o perdão; que deve ser exercido e difundido através de cada um de nós...

Usee


terça-feira, 22 de outubro de 2013

Passos...


Imagem: Usee


Reencontrar-se;
Reconhecer-se...

Permitir-se;
Renunciar
Libertar-se;
Transformar-se...

Rever-se;
Perdoar-se;
Curar-se;
Limpar-se;
Purificar-se...

Observar-se;
Vigiar-se...


Ligar-se à Fonte;
Unificar-se.


Usee

"bem" e "mal"...


Imagem: Usee

A força que alimenta a mágoa, o rancor, o ódio, e através destes o mal, não é a mesma que alimenta a amorosidade, a alegria, a amizade, o perdão, e através destes o bem...

É necessário saber reconhecer a vibração de um e de outro e seus efeitos, a fim de proceder a revisão de nossas atitudes, bem como dos “pensamentos” e “sentimentos” que alimentamos, uma vez que é sobre nós próprios que o peso de um ou a leveza do outro recaí...

É necessário ter o entendimento de que a mágoa nos afeta, do mesmo modo que o mal, que o amor equilibra e serena, do mesmo modo que o bem.... 

É necessário saber exercer o perdão, proceder a limpeza e revisão de nossos atos, deixando espaço apenas para este.

Quando falo (aqui) de mal e bem, não me refiro a conceitualização dada culturalmente, mas enquanto condição sob a qual nos situamos, na qual e pela qual vibramos e  nos sintonizamos quando afastados de nossa voz interior, de nosso Ser, de sua Luz e Verdade ou nos mantemos unidos e sintonizados  a Eles.

Ou seja: o mal enquanto forma de prejuízo a atividade do Ser em nós; por dele nos afastarmos, impedindo-o de atuar..., o bem como forma de permissão a atuação e manifestação do Ser...

Por outra via: na medida em que nos privamos do Amor e do perdão, e daí, da limpeza e harmonia interior, mantemos a intranquilidade, produzimos o mal e vibramos nele. Esta privação entendo ser o mal. O contrário é o bem.

Diante destes, nossa postura precisa ser de entendimento e libertação ou de entendimento e nutrição. A escolha é de cada um, dentro do propósito que se procura realizar e da consciência que se procura ter.


Usee


sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Entendimento - VIII


Imagem: Aleh

As provações, desafios, empecilhos, desilusões e ilusões que emperram o caminho de uma pessoa, são testes, mas também são oportunidades para que ela possa “se” enxergar, reconhecer suas fraquezas e/ou equívocos, e então se reparar.

Mas, quem os sabe identificar, reconhecer, observar? Quem, diante destes, se coloca com humildade, firmeza e serenidade, para aprender e se trabalhar?

Cada um sabe seus efeitos, ou pelo menos deles maldiz, reclama e até sofre... As ações e reações que estes produzem são as mais diversas: uns desistem, outros insistem, outros tantos persistem... E são estes os “pontos” que é preciso perceber, identificar e observar, a fim de rever e reparar ali, diante do que o fez/faz desistir, persistir ou insistir.

Os “pontos”, e o desequilíbrio que estes fizeram/fazem aflorar, não deve servir para (nos) julgar, mas para perceber onde cada um se deixou fraquejar...

É importante ter o entendimento: somos nós a permitir que o desequilíbrio se instale, pela abertura que damos, pelo descuido, pela falta de atenção e observância interior.

Só para exemplificar: a permissão cada um se dá quando se abre e sintoniza com “situações”, posturas, atitudes, modos de ser, crenças, credos, convicções, etc., seja pela empatia, aceitação, adesão, omissão, deferência, ou por não dar conta do peso que isto acaba tendo sobre seu modo de ser e de “olhar”... É por aí que cada um deixa de se observar... E é por aí que os “testes” se manifestam e desequilibram...

É preciso ter claro: provações, desafios, empecilhos, desilusões e ilusões são “estações” de um caminho, quando nos dispomos/pomos a caminhar. Nestas, é preciso parar, para se refazer e tomar fôlego, para as voltas que o caminho dá...


Usee


Clareza


Imagem: Iara

Quem se depara com a clareza da Luz;
quando esta lhe ilumina, mente e coração,
não vê sombra, não vê escuridão,
não se perde ou se embaraça
nos atalhos da ilusão.

Quem se depara com a clareza da Verdade;
quando esta lhe aclara, mente e coração
não se esquiva ou ignora, rompe a dúvida.
Diante do “estabelecido”, se permite a contramão...


Usee


sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Princípios e Valores X "princípios" e "valores"



Observe este Farol!




Ele não faria falta a este Mar! 

Os homens é que dependeram/dependem dele! O Mar, não! 

As marés, as ondas, continuarão o seu movimento sem ele. As pedras e todos os seres que aí habitam, continuarão a partilhar deste espaço em harmonia, se depender somente uns dos outros...

Mas o farol..., tão desagregador nesta harmonia! Tão plantado e tão necessário ao homem!

... E para que?

Um dia, de acordo com os padrões e valores humanos, tão necessário aí, serviram aos seus propósitos e interesses, agora jaz, como "marco" de um tempo que passou...

São assim os princípios e valores, quando provém do externo, servindo aos interesses humanos, de conformar, acomodar, controlar, dominar... A estes devemos estar atentos, para não nos deixar levar...

É preciso observar e ter por base valores e princípios, sim! Mas, que princípios e que valores? Vindos do externo, do que “o mundo” plasmou e nos legou, sob forma de controle, conformação e ilusão?

Também os valores e os princípios devem brotar do interior, daquela voz que anuncia as verdades tão presentes no Coração e tão presentes no Mundo, no que a Lei da Criação inscreveu.

Estes nos reúne  ao Universo Criador...!


– Neste horizonte  não há interesse, há propósito. Não há "marco", há aprendizado, não há ilusão, há Luz e Verdade... Não há efemeridade, há Eternidade.

A esses Princípios, e seus valores decorrentes, é preciso observar, para sobre ele assentar nosso viver e modo de ser, sob pena de, seguindo cegamente a valores externos, nos distanciarmos de nossa essência, nos focando no ter, querer, poder, segundo um desejo, vontade, conveniência e interesse.

Somente neste horizonte é que cada um encontra a si – porque encontra a Paz e a Harmonia...


Usee


quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Quando me couber - ArqueiroHur


Postagem original, 31.05.2012



Quando a mim caber
caminhar sem temor ou esperar chegar,
mas apenas ir...

Quando me couber
perceber a sintonia ao meu redor,
evitando a cobiça
e aceitando a comunhão...

Quando a mim caber
praticar a verdade e pela justiça lutar,
sem olhar ou medir
nem me glorificar...

Quando me couber
fazer o que for necessário
a quem quer que seja,
sem confete, brilho ou altar...

Quando a mim caber
ser humilde sem ser submisso,
reconhecendo a arrogância e infantilidade
e levantando-me ante a dominação...

Quando me couber
sentar no chão e fazer do pão um manjar,
do dissabor o néctar do crescer,
da dor um aprender...


Quando a mim caber
simplesmente estar, sem "me ver somente"
e responsabilizando-me,
fazendo do fracasso o rever
e das vitórias um exemplo:

É porque em mim COUBE
o caminho do SER, do AMOR
e estar pela LUZ, pelo TODO.

ArqueiroHur


Republicado em 11.02.2013 
em http://arqueirohur.blogspot.com.br/2013_02_11_archive.html

Limpeza


















Hoje fiz uma escolha, queimei uma amarra que me prendia. Submeti-a ao fogo, submeti-a a sua chama purificadora.

Permiti que a Luz promovesse a limpeza em minha mente e coração.

Experimentei a libertação, libertei-me de algo que me fazia acomodar, fraquejar, conformar, do que me iludia e seduzia.

E assim, que cada dia eu procure me libertar, me rever, me perdoar, me curar...

Que eu seja capaz de, todos os dias, incontáveis vezes, escolher este caminho, do rever, do perdão, da limpeza e purificação.

Que, através do Amor, eu deixe falar/vigorar o Ser que habita em mim, me fazendo ser quem verdadeiramente sou; parte e partícipe na Unidade, pela Vontade Criadora...

Que meu Ser me ilumine, oriente e guie!

E que, em todos os dias,  eu seja capaz de me rever, perdoar, pedir perdão e, com firmeza, submeter o que me prende à chama purificadora do Fogo Universal.

Usee

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

A coerência da FÉ


Postagem original em 01.04.2013


A coerência da
não está no pedir e esperar,
está no entregar e confiar.


Usee



A Fé é um trabalho...


Imagem: Aleh

"Pode-se dizer que a fé é um trabalho sobre as crenças, sim, um trabalho de reflexão, de crítica; e quem não decidiu fazer este trabalho torna-se, muitas vezes, vítima de superstições, pois a passagem de uma à outra é fácil.

Como o ser humano tem sempre necessidade de acreditar em alguma coisa, aqueles que não compreenderam o que é realmente a fé agarram-se a toda a espécie de coisas: um determinado objeto é para eles portador de felicidade, determinado número ou dia da semana é-lhes benéfico e um outro é maléfico, encontrar esta ou aquela pessoa no caminho é interpretado como bom o mau augúrio, etc.

Eu não nego que se possa dar um significado aos objetos, aos números, aos dias, aos encontros, mas isso nunca substituirá uma fé baseada nas leis que governam a nossa vida psíquica e espiritual."


Omraam Mikhaël Aïvanhov