sábado, 9 de novembro de 2013

Permissões


Imagem Aleh


Passamos pela vida, numa existência estéril, quando nos permitimos ser levados e conduzidos pelo que nos agrada, favorece, interessa, etc., servindo assim a um propósito que não é o do nosso Ser...

Tendemos a reforçar esta condição na medida em que aderimos ao que nos prende, envolve, distrai, ilude, conforma, manipula, etc., eventos que encontram eco e sedimento em nós, através de nossas atitudes, dos nossos desejos, quereres, conveniências, sentimentos, pensamentos...

Porque permitimos e aderimos, somos levados e conduzidos, daí cedemos e consentimos... Assim vamos, ao longo dessa existência, promovendo o distanciamento do nosso próprio centro e do Todo, e agindo como se fôssemos íntegros... Muitas vezes asseveremos uma consciência e um entendimento sem, contudo, nos portar e atuar de acordo com estes.

O retorno ao centro e à integridade é promovido pelo despertar, e este pelo reconhecimento do véu da ignorância que nos separa de nosso próprio SER.

Constituem condições necessárias para que o despertar promova a mudança que deve promover: que reconheçamos nossas fragilidades e propensões, que cultivemos a humildade e a simplicidade, que aprendamos a nos rever, reconhecer, perdoar, e que mantenhamos a atenção para com nossas escolhas e permissões.


Usee

Nenhum comentário:

Postar um comentário