sábado, 22 de março de 2014

O CAMINHO A SEGUIR...


Google imagem

JESUS DEIXOU UMA "DICA" DO CAMINHO A SEGUIR: "...conhecereis a Verdade, e a Verdade vos libertará."...

O DEUS QUE MEU CORAÇÃO CONHECE, E COM O QUAL MINHA RAZÃO ASSENTE, É UM DEUS VERDADE QUE LIBERTA E ORIENTA, LUZ QUE ILUMINA E ACLARA, AMOR QUE AMPARA E CUIDA...

... A TODOS, A TUDO, SEM PREFERÊNCIAS...

NINGUÉM O IMPÕE A MIM, ELE ME CONVENCE POR SI SÓ, ATRAVÉS DE SUAS OBRAS, ATRAVÉS DA CRIAÇÃO; PELO QUE MANIFESTA E REFLETE...

É ELE A VERDADE/LUZ/AMOR QUE, DIA APÓS DIA, ME FAZ DESPERTAR, ACEITAR, COMPREENDER E RECONHECER SUA GRANDEZA...

É A ELE QUE SOU GRATA,

É PARA ELE QUE ME VOLTO A TODO INSTANTE,

É ELE O CAMINHO QUE SIGO...


Usee


GRATIDÃO - ArqueiroHur

                               postagem neste blog em 24/02/2012
                                                   

GRATIDÃO


Seja GRATO todo dia a VOCÊ, ao Universo e a Criação pela oportunidade que te é dada de estar aqui e crescer.


Reconheça a importância de TODOS, dos Reinos, sintonias e dimensões que a cada instante te auxiliam, dão subsídios neste trajeto.


Que seja:

- A uma flor ou planta, que pelo aroma, beleza ou mesmo como “remédio” deram algo que precisavas. SEJA GRATO!

- A um mero “animal da rua”, que ao abanar o rabo reparou em você, “viu” que você existia no meio da multidão... Mesmo àquele que “rosnou”, dando-te a noção do seu limite naquele território ou que com este "rosnar", tenha tentado te “mostrar” algo de indevido em você. SEJA GRATO!

- Aos seres do reino energético, que silenciosamente e de forma invisível para muitos, estão sempre de prontidão, tentando “alertá-lo” dos “desvios” ou descaminhos que se apresentam; e também, àqueles que estão "ofertando-os" a você . SEJA GRATO!

- Aos “humanos”, tanto aqueles que deram algum exemplo de com sua postura, de "como SER"; quanto para com os que mesmo “inconscientes”, também o fizeram, e reafirmaram em VOCÊ as condutas de “como não SER”... Estes últimos, aliás, fundamentais na sua determinação e caminho, pois, é através da “sua reação” perante eles, que você demonstra na prática, a sua escolha. SEJA GRATO!

SEJA GRATO! Aos dissabores, desagrados e desilusões; aos desafios e batalhas. Reconheça as situações como "sementes" para o seu crescer, vindas da Criação.




Assim, se desejas realmente VIVER este momento único,reconheça que a cada passo dado por você, houve e há o impulso do Universo e de TODOS que de alguma forma, transpassaram em sua jornada.

Que embora seja VOCÊ o “dono dos seus passos e caminho”, o aprendizado foi “ofertado”, disponibilizado por outros.

Que a sua "escolha" só foi e é possível, pois, "alguém" te deu e mostrou "um outro caminho".
Sem um "outro alguém", por onde você se balizaria, qual o rumo irias tomar?...

Mas entenda: SER GRATO, não é "obter" ou "deter" alguma dívida para com quer que seja. A GRATIDÃO, é somente reconhecer-se no TODO.

Que a LUZ da Sabedoria Divina atue em sua personalidade e caminho.

ArqueiroHur
Postado  terça-feira, 20 de dezembro de 2011 em:



sexta-feira, 21 de março de 2014

"Pobreza interior"


Google imagem


Interrogante: Você quis mesmo dizer seriamente o que sugeriu na semana passada quando disse que a pessoa devia se retirar do mundo quando tivesse quarenta e cinco anos mais ou menos?

Krishnamurti: Eu sugeri seriamente. Quase todos nós, até a morte nos levar, ficamos tão envolvidos com os assuntos mundanos que não temos tempo para investigar profundamente, descobrir o real.

Para retirar-se do mundo é necessária uma completa mudança nos sistemas educacionais e econômicos, não é? Se você se retirasse, estaria despreparado, estaria perdido, estaria só, não saberia o que fazer com você mesmo. Não saberia como pensar. Provavelmente formaria novos grupos, novas organizações com novas crenças, lemas e rótulos, e novamente estaria ativo externamente, fazendo reformas que necessitariam de outra reforma.

Mas não é isto que quero dizer. Para retirar-se do mundo você deve estar preparado: com o tipo certo de ocupação, criando um tipo de meio ambiente correto, estabelecendo um Estado correto, educação correta e assim por diante.

Se você foi preparado assim, então, afastar-se do mundanismo em qualquer idade é a sequência normal, não a anormal; você se afasta para derramar-se em pura e profunda conscientização, você se afasta não no isolamento, mas para encontrar o real; para ajudar a transformar a sociedade e o Estado endurecidos, conflituosos.

Tudo isto envolveria um tipo totalmente diferente de educação, uma elevação em nossa ordem social e econômica. Tal grupo de pessoas estaria completamente desassociado de autoridade, política, de todas essas causas que produzem guerra e antagonismo entre homem e homem. Uma pedra pode direcionar o curso de um rio; assim, um pequeno grupo pode direcionar o curso de uma cultura.

Certamente qualquer coisa grande é feita desta maneira.

Você provavelmente poderá dizer que a maioria de nós não pode se retirar não importa quanto possamos querer. Naturalmente nem todos podem, mas alguns de vocês podem. Viver sozinho ou num pequeno grupo requer grande inteligência. Mas se você pensasse realmente que vale a pena, então começaria não como um deslumbrante ato de renúncia, mas como uma coisa natural e inteligente para um homem cuidadoso fazer.

Que extraordinariamente importante seria se houvesse pelo menos alguns que não pertencessem a nenhum grupo particular ou raça ou a nenhuma religião especializada ou sociedade! Eles criariam a verdadeira fraternidade do homem, pois estariam buscando a verdade.

Para estar livre das riquezas exteriores deve haver a consciência da pobreza interior, que traz incontáveis riquezas. A correnteza da cultura pode mudar seu curso através de poucas pessoas despertas. Estas não são estranhas, mas você e eu.
Jiddu Krishnamurti

Ojai 5th Public Talk 11th June, 1944 Collected Works

http://www.jkrishnamurti.org/pt/krishnamurti-teachings/view-daily-quote/20120828.php?t=Self-knowledge


A "consciência" em cada um...

                                                       Postagem original em 01.12.2012
Foto: Usee

Muito se fala em “consciência”, em “ter consciência”, em“agir com consciência”..., “com se esta viesse de fora”, como se fosse formada em nós pelas vivências externas.

A “consciência” é própria de cada um (está em si, lhe é inerente, conatural), devendo (e deve!) ser despertada. 

Uma vez despertada, precisa ser alargada, pela atenção, observação, observância, pelo aprendizado e entendimento constantes.

É o externo – seus atores/sujeitos – que produzem às situações e acontecimentos (de todo tipo), e estes (apenas) servem (devem servir) de ocasião para despertá-la e alargá-la (Consciência).

[Quando falo de "situações e acontecimentos do externo” quero me referir ‘apenas’ aos humanos, já que são estes que provocam, produzem ou (contribuem decisivamente) para os produzirem].

O “despertar”, porém, só ocorre na medida em que haja/há/houver abertura interior, disponibilidade e prontidão para perceber, corrigir, rever e nos libertar das situações e acontecimentos adversos (do externo), que violentam e/ou contradizem os Princípios/Luz/Verdade do nosso Ser.

Nesta condição, a consciência se alarga (vai se alargando), produzindo mudanças... Começamos a mudar... Mudamos de dentro para fora, refletindo este estado...

Entretanto, além da mudança que se experimenta (que se pode experimentar), dizer-se “em consciência” deve significar entregar-se à sua orientação, pelo que, e através do que, nos é apontado. Isto deve e é necessário ser feito, para que estejamos em consonância com a Vontade Divina e segundo a Lei da Criação inscrita em nosso Ser.

Foto: Usee

É preciso perceber os sinais, identificá-los, reconhecê-los e reconhecer o que nos é devido para que abandonemos as ocupações desnecessárias, as distrações, as correrias, as ilusões, os apegos, aquilo que nos subjuga e paralisa interiormente; pensamentos e sentimentos (egoístas, ruins, degradantes) e tomemos o caminho ao Amor...

Só a partir do interior é que podemos despertar/acordar e por em movimento nossa consciência, o que pode começar por exercitar a observação e atenção interior, quando estivermos diante das adversidades; nas reações e ações que estas desencadeiam em nós...

Usee

ILUSÃO...



publicado neste blog em 17.06.2013
Postagem original, em 04.11.2012


ILUSÃO...

Valendo-me deste pensamento de HUBERTO ROHDEN :
O HOMEM REALMENTE ESPIRITUAL

É bem assim o homem realmente espiritual:
Não é um homem pacatamente virtuoso,
uma alma dogmaticamente mansa e domesticada
para encampar docilmente as crenças tradicionais.

O homem integralmente espiritual
é um intrépido aventureiro dos mundos ignotos,
um genial sonhador do infinito,
uma alma empolgada pela dinâmica inquietude metafísica
dos insatisfeitos, dos insaciáveis, dos descontentes
com o que “todos” sabem
e fascinado pelo que todos ignoram...

O homem espiritual,
surdo aos barulhos da turbamulta dos profanos 
e às teses dos catedráticos,
escuta intensamente vozes do grande silêncio
que principia além de todos os ruídos estéreis.
E o que esse silêncio anônimo lhe sugere
é mais sedutor do que tudo o quanto os discursos
e os sermões dos sabidos e afamados possam lhe dizer.” 

Do livro Cosmorama
HUBERTO ROHDEN
Fonte: site www.imagick.org.br






Como Ser EU MESMO ‘escutando’ e seguindo ao que
disseram ser assim?...

Não me ouvindo?...

Procurando ser igual ou condescendente com a maioria?...

Com o que ‘cai bem’, por ser ‘mais fácil ou belo’?...




Sim!... 
Não me fazer em silêncio e deixar minha Voz Interior me conduzir,
CONFIANDO;
reproduzir ‘falas alheias’ como um ‘papagaio de pirata’,
me portar e conduzir ‘devidamente’ como a maioria dentro de qualquer ‘linha ou padrão’ (religioso, social, econômico)
e “traduzindo” tudo dentro dos conceitos
é me iludir.




Somente Eu COMIGO MESMO, posso obter a revelação
da MINHA VIBRAÇÃO (DO MEU SER)  e nela me sintonizar.




Nada nem ninguém deste externo pode revelar o MEU SER!
Pois este externo ‘está longe’, muito distante 
da Unidade com o TODO.
E se eu procuro a mim, devo desaprender, me libertar das amarras
que este externo fincou 
e no meu silêncio me descobrir e me Unificar.




Sem a coragem e determinação de me lançar a MIM MESMO, 
de OUVIR-ME;
e SEGUIR e SER  o que OUVI e SOU,
mantenho-me na ilusão do ‘pensar/achar que estou e sou’ e que ‘estarei e serei’ (salvo, protegido, enfim...)  na pretensa e discriminatória soberba humana.




Somente o silenciar-se e o afastar-se das ‘teorias humanas’ 
que ignoram e profanam as Leis da Criação 
e desrespeitam as suas Criações/Criaturas, 
é que me levará a realmente SER e PRATICAR 
a ESPIRITUALIDADE, 
a LUZ e o AMOR.

ArqueiroHur


quarta-feira, 19 de março de 2014

Dentro de cada um... o "Sentido"

                                         Publicação original em 27.11.2012
Foto: Usee

Passamos a vida desejando e buscando “algo” que dê “sentido” a nossa vida, apoiando-nos e nos apegando ao aparente e ilusório; ‘crendo’ tê-lo/encontrá-lo aí...

Buscamos fora de nós, colocamos sobre os outros e sobre as coisas (bens, situações, realizações, paixões, etc.) a responsabilidade e tarefa de preencherem o vazio que criamos e no qual nos deixamos cair.

Muitos de nós, de tanto viver em função dessa busca desenfreada fora de si, nem chegarão a saber:

É dentro de cada um (em seu interior) que reside e se mantém, incólume, o “sentido” que a ignorância e o “mundo” trataram de despistar e esconder.

Cabe buscá-lo dentro de nós, não fora!

Usee

A escolha...


Imagem: Usee

A escolha, aquela que possibilita a mudança interior e o despertar para um novo modo de ser, só é verdadeira escolha quando é capaz de manter aceso o fervor da mudança e da continuidade desta mudança.

E esta ocorre pelo desejo assente no coração, pelo que este empreende e pelo reconhecimento de outra dimensão e de outro horizonte na/da vida, diferente daquela/daquele que o hábito, a cultura, as crenças, etc. impõem.

A escolha, assim como a mudança, se dá sem alarde, no interior de cada um, reconhecido, vivido/vivenciado, de acordo com o que revela o Ser... 

E há Um Amor, Uma Luz, Uma Verdade revelando a Vontade de um Deus Criador... E Esta, quando percebida, aceita e compreendida através do Amor/Luz/Verdade, dá vigor a decisão, a escolha e a mudança.

 Usee


terça-feira, 11 de março de 2014

"Para compreender alguma coisa você deve viver com ela"



Imagem Google


"Para compreender alguma coisa você tem que viver com ela, observá-la, tem que conhecer todo seu conteúdo, sua natureza, sua estrutura, seu movimento. Você já tentou viver com você mesmo? Se já, começará a ver que você não é um estado estático, é uma coisa viva, fresca. E para viver com uma coisa viva, sua mente tem que estar viva também. E ela não pode estar viva se está presa em opiniões, julgamentos e valores.

A fim de observar o próprio movimento de sua mente e coração, de todo o seu ser, você tem que ter uma mente livre, não uma mente que concorda e discorda, tomando posições, disputando por simples palavras, mas antes acompanhar com a intenção de compreender – uma coisa muito difícil de fazer porque a maioria de nós não sabe como olhar, ou como ouvir ao nosso próprio ser, como não sabemos como olhar para a beleza de um rio ou ouvir a brisa entre as árvores.

Quando condenamos ou justificamos não podemos ver claramente nem podemos quando nossas mentes estão tagarelando sem parar; então não observamos o que é, apenas vemos as projeções que nós mesmos fizemos.

Cada um de nós tem uma imagem do que pensamos que somos ou que devíamos ser, e essa imagem, esse quadro, nos impede inteiramente de vermos como somos realmente. É uma das coisas mais difíceis no mundo olhar para alguma coisa simplesmente. Porque nossas mentes são muito complexas, perdemos a qualidade da simplicidade.

Não estou falando de simplicidade em roupas ou alimentos, vestir apenas uma tanga ou quebrar um recorde de jejum ou alguma dessas tolices infantis que os santos cultivam, mas a simplicidade que pode olhar diretamente para as coisas sem medo – que pode olhar para nós mesmos como de fato somos, sem qualquer distorção - dizer quando mentimos, mentimos, não disfarçar e fugir disso. Também para nos compreendermos precisamos de muita humildade.

Se você começa dizendo, “Eu me conheço”, já deixou de aprender sobre você mesmo; ou se você diz, “Não há nada mais a aprender sobre mim pois sou um feixe de memórias, ideias, experiências e tradições”, aí também você parou de aprender sobre si mesmo.

No momento em que você adquire alguma coisa deixa de ter aquela qualidade de inocência e humildade; no momento em que você tem uma conclusão ou começa a examinar a partir do conhecimento, está acabado, porque então você está traduzindo toda coisa nova em termos do antigo. Ao passo que se você não tiver base, se não houver certeza, nem realização, há liberdade para olhar, para realizar. E quando você olha com liberdade é sempre novo. Um homem seguro é um ser humano morto."



Freedom From The Known Collected Works, Vol. XI
http://www.jkrishnamurti.org/pt/krishnamurti-teachings/view-daily-quote/20120128.php?t=Autoconhecimento

segunda-feira, 3 de março de 2014

Entendimento XII


Google Imagem

Na medida em que deixo de me conformar e adequar, 
com/a este mundo e  ao que ele oferece,
crio uma condição interior para transformar-me,
rever-me e renovar meu Ser;
naquele que é seu caminho e naquela que é sua missão...
(caminho e missão que descubro, pelo que passo a observar 
e a compreender).

Por esta atitude me abro ao discernimento da Vontade Divina
(inscrita e prescrita...), através da qual devo conduzir meus passos...


Usee

sábado, 1 de março de 2014

"Entre no silêncio da alma"

danúbio vermelho


"NO SILÊNCIO DE NOSSA ALMA

Existe um silêncio...
Uma absoluta calma interior,
Que, no espelho da alegria ou da dor,
Do movimento ou da inação,
Em nós reside,
Em todos nós está presente.

É preciso encontrarmo-nos dentro desse ponto.
É preciso sintonizarmo-nos com esse equilíbrio, profundo...
É preciso sabermo-nos (sic) identificar a imobilidade dentro de todo o movimento.

Esse silêncio, este ponto interno, está na nossa Alma.
É o silêncio que permeia o centro de nossa consciência.
E esse silêncio pode nos conduzir aos píncaros de nossas realizações, ao oceano de nosso Ser.

Pode nos orientar quanto aos nossos caminhos, pode nos direcionar em meio ao movimento frenético e caótico do mundo externo.

Nesse silêncio d’alma, encontramos carinhosamente  a nós mesmos. Ouvimos o pulsar de nosso coração que está em sintonia com o pulsar de todas as estrelas do cosmos...
Nesse silêncio, podemos orar, sentir, falar e ouvir, amar e deixar-se amar...

Nesse silêncio d’alma, sentimos nosso próximo, os animais, as plantas, o firmamento, as nuvens, o vento, a água, a terra e  o fogo de nossos intentos, o ardor de todas as paixões e o impulso da Graça,  qual gloriosa e eterna chama a avivar o Amor.

No silêncio de nossa alma encontramos DEUS, que está em nós.
Para irmos até Ele, precisamos ir ao silente momento desse ponto consciencial, que é o veículo da orientação divina que nos aponta os melhores caminhos.

No silêncio de nossa alma, quando olhamos para dentro de nós, mesmo em meio a toda a confusão cotidiana do mundo, podemos, parar...e ver a nós mesmos. E assim, redirecionar nosso leme a cada instante no infindo momento do agora, que é o único que realmente contém a substância vital, por todos os nossos caminhos.

É no silêncio que amamos, que perdoamos, que compreendemos, que iniciamos sem pestanejar, a ação correta. Que podemos, efetivamente, tocar e sentir, olhar e ver, ouvir e escutar, podendo nos assenhorear dos melhores pensamentos e sentimentos que darão qualidade às nossas atitudes, como aprendizes e mestres da Grande Escola da Vida.

Que um dia nos encaminhará para o perene paraíso de DEUS.  Porque no silêncio fomos concebidos, no silêncio d’alma devemos viver centrados no caminhar da vida, e no silêncio, retornaremos ao seio celestial, de onde proviemos. No silêncio DEUS nos fala, no silêncio falamos mais intimamente com DEUS. No silêncio de uma lágrima vertida por pura gratidão, alcançamos as alturas do CRISTO, ofertando-nos sempre a melhor solução, o CRISTO que também em nós reside e que nos fala a todo instante, valendo-se do silêncio de nosso ser que pode assim, cumprir alegremente, suavemente, o nosso destino e portanto, verdadeiramente, frutificadamente, divinamente,  viver."

Ivanildo Falcão da Gama
http://petroferreira.blogspot.com.br/2014/02/entre-no-silencio-da-alma.html