quarta-feira, 30 de julho de 2014

Liberdade do caminhar...



Google imagem


A "linha" que nossos olhos alcançam no horizonte é um sinal de nossa limitação...(mas não só no horizonte físico!).

Mas, já observaram que independente e à revelia da linha que nossos olhos percebem, um horizonte sempre se alarga e encomprida, na proporção/medida que avançamos? (Certamente que sim! Mas, que entendimento adveio daí??).

Assim acontece quando somos despertados para o Caminho; do Amor, da Luz, da Verdade, o horizonte se alarga e encomprida na medida em que damos passos, exigindo de nós aceitação e determinação no caminhar...

O contrário disso, também acontece, pela escolha em manter-nos na limitação do "olhar" (pelo modo de ver, viver, aceitar...).

Mas, a "linha" no horizonte é sinal da impossibilidade de alcança-lo? 
Não!! 
É sinal de que o caminho/caminhar é ininterrupto, de que os passos devem ser constantes, que não deve haver estagnação... É sinal, principalmente, da condição que nos é dada, para que possamos avançar (consciência, entendimento, aceitação...) e nos libertar (da amarras do conforto, da estagnação, etc.).

Diante do Horizonte ao qual me refiro, o “olhar” tanto pode nos manter limitados como pode nos libertar. O horizonte, por sua vez, tanto pode nos amedrontar/acovardar como nos pode animar, para a liberdade do caminhar.

E esta liberdade só se goza no/ao caminhar...


Usee


SAL DA TERRA...


Google imagem


“VÓS SOIS O SAL DA TERRA
VÓS SOIS A LUZ DO MUNDO
NINGUÉM MAIS QUER O SAL QUANDO ELE PERDE O SEU SABOR
NINGUÉM ACENDE A LUZ PARA ESCONDE-LA LOGO APÓS.
[...]
HÁ MUITO PRATO INSÍPIDO NUM MUNDO SEM SABOR
HÁ MUITA ESCURIDÃO CEGANDO O MUNDO SEM AMOR.
[...]
A VIDA SEM TEMPERO MUITA GENTE SOFRE A DOR
EXISTE ESCURIDÃO PORQUE NINGUÉM ACENDE O AMOR”.




... busquemos a proporção do AMOR!

Postagem original em 18.08.2013

A Verdade a tudo revela,
e por amor tudo faz sabido.
A Luz a tudo ilumina,
e por amor a tudo aclara...
O AMOR a todos ama,
e por amor a todos aguarda...




Então, busquemos a proporção do AMOR!



Guardemos em nós lugar para o Amor!
Sedimentemos em nós a Verdade do Amor!
Alimentemos em nós a Luz do amor!

Guardemos, sedimentemos, alimentemos,  
a proporção do AMOR!


Usee
  

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Caminhos do ego, Caminhos do Amor...




Sem referência



Quando reconhecermos e compreendermos os caminhos do ego, também o faremos em relação aos caminhos do Amor.

Tal reconhecimento e compreensão terá nascido da observação, da revisão, do ato de amor para consigo e para com os outros...


Usee

terça-feira, 1 de julho de 2014

O "ego" e o SER (Revisto)

                                                          Postagem original em 01.09.2012
                                            Google imagem

O “ego” é o outro lado de mim,
agregado a meu Ser.

É o lado do meu “eu”
suscetível ao externo
com suas influências e mutações...

É ele que, em sua suscetibilidade,
se “rende” e se deixa levar,
resiste, faz barulho e esperneia,
projeta, sonha, deseja, quer,
afastando-se do Ser.

É ele que renega e sonega 
a Essência e Natureza,
da parte Divina que há em mim.

Se me curvo ao ego e me rendo a suas artimanhas,
 perco-me, sujeito-me às ilusões do mundo.
Passo a viver sob e sobre sua influência e direção.


  
O retorno do ego ao Ser se dá através do Amor...
É pelo sentir, e tocado pelo Amor, que ele se converte.
Pois observa-se, e revendo se transforma...

Usee

"O que é o ego?"

Sem referência



A busca por poder, posição, autoridade, ambição, e todo o resto são formas do ego em todos os seus diferentes meios.

Mas o importante é compreender o ego e estou certo que vocês e eu estamos convencidos disto.

Se me permitem acrescentar aqui, vamos ser sérios a respeito deste assunto; porque sinto que se vocês e eu como indivíduos, não como um grupo de pessoas pertencentes a certas classes, certas sociedades, certas divisões climáticas, pudermos compreender isto e agir a partir daí, então penso que haverá uma revolução verdadeira.

No momento que isto se torna universal e melhor organizado, o ego se abriga aí; por outro lado, se você e eu como indivíduos podemos amar, podemos levar isto, de fato, para a vida cotidiana, então a revolução que é tão essencial acontecerá.

Vocês sabem o que quero dizer com ego?

Com isso, quero dizer a ideia, a memória, a conclusão, a experiência, as várias formas de intenções nomeáveis e não nomeáveis, o esforço consciente para ser ou não ser, a memória acumulada do inconsciente, o racial, o grupo, o individual, o clã, e tudo isto, seja projetado externamente em ação, ou projetado internamente como virtude; a luta atrás de tudo isto é o ego.

Nele está incluída a competição, o desejo de ser. A totalidade desse processo é o ego; e nós sabemos de fato, quando estamos frente a ele, que ele é uma coisa maligna.

Estou usando a palavra maligna intencionalmente, porque o ego divide; o ego está fechado nele mesmo; suas atividades, conquanto nobres, são separadas e isoladas.

Sabemos tudo isto. Também sabemos como são extraordinários os momentos em que o ego não está, em que não há sentido de esforço, de empenho, e que acontecem quando existe amor.

Krishnamurti, J. Krishnamurti, The Book of Life