segunda-feira, 19 de setembro de 2016

RAIZ (I)

Google imagem


Raiz! Raízes! E são tantas! E são tão vigorosas! Tão responsáveis! Tão fundamentais!
          Uma hora ou outra aprendemos sobre a utilidade de uma raiz. Alguns aprendem nos livros, em aulas, outros de ouvir dizer, e outros tantos de observar. Sobre algumas raízes aprendi até sua utilidade (para nós seres humanos e para animais).
          Passei pelos processos de aprendizagens que me foram possíveis, sem, contudo, compreender sua verdadeira natureza. Só agora, através de uma atitude de observação, isto me está sendo possível.
          Percebi, por exemplo, que a planta só fica viçosa quando a raiz está bem nutrida, e que, em certos solos, muitas delas não têm força para ir buscar a água em grande profundidade, cabendo a nós regá-las bem de vez em quando, a fim de nutri-las.
          Pude identificar na natureza do trabalho do caule, que uma vez bem nutrida de água, ajuda a raiz a transportar nutrientes até as folhas, deixando-as viçosas em pouco tempo. O efeito da água sobre plantas sem viço é completa e imediatamente perceptível. E isto reflete nas flores, nos frutos, no ambiente, na atmosfera...
          Tomada em si mesma, por outro lado, a raiz é o elo de ligação daquela planta com os todos os organismos e micro organismos, com todas as formas de vida, seja do seu ambiente seja do Cosmos. A Raiz é o Elo com a Unidade, e é seu alimento.
          Tal observação me fez compreender a nossa própria raiz. Aquela parte de nós responsável pela busca do alimento; da nutrição, quer para o corpo físico, quer para o corpo espiritual. Aquele Elo Indivisível e pouco conhecido por nós mesmos, Capaz de nos unir ao nosso Ser; à Unidade.
          É movida por esse pensamento que me pergunto: de que modo minha Raiz tem se nutrido? O que é que tenho permitido a Esse meu Elo fundamental, em termos de nutrientes? E quando o faço? E como o faço?
          E então, olho para dentro de mim mesma, a fim de me rever, ali, aonde minha Raiz vigora e trabalha, a fim de que ela possa, com àquela, cumprir a sua Natureza.

Usee



Nenhum comentário:

Postar um comentário